Pular para o conteúdo principal

O adormecido acordou

Nos últimos dias as principais ruas e avenidas são tomadas por dezenas de milhares de pessoas. Crianças, jovens, adultos e idosos se somam as manifestações verídicamente pacíficas, com o intuito de lutar por uma sociedade cada vez mais justa e igualitária. O pressuposto da redução das tarifas de transporte foi somente o pontapé inicial para uma grande luta, uma verdadeira marcha por um Brasil livre de corrupção.
A juventude contemporânea agora sim mostrou a que veio. Com o advento da internet os jovens tiveram a grande facilidade de mobilizar todo país, de norte a sul. Os brasileiros nesses últimos dias apresentaram-se com um patriotismo invejável, poucas vezes vimos isto na nossa história. Os cidadãos têm a coragem e o amor de pegar a bandeira e lutar pela pátria idolatrada, saem pelas ruas gritando com todo vigor: “O povo acordou, o povo decidiu, ou pára a roubalheira, ou paramos o Brasil”.
Uma das grandes questões levantadas é a revogação da PEC 37 (Projeto de Emenda a Constituição), que limita o poder de investigação do ministério público e outra, é o acúmulo de gastos com a Copa das Confederações  já se somam mais 28 bilhões de reais. Dinheiro este que com certeza resolveria boa parte dos problemas do Brasil. Saúde, educação, transporte e segurança pública não se falam, o que os corruptos querem mesmo, é ouvir o nosso grito de gol, como se tudo se resumisse as quatro linhas.
O bom mesmo é saber que a sociedade ressurgiu, acordou em meio as cinzas à qual se encontrava decisiva e objetiva, o recado já foi dado, está sendo informado e as primeiras metas são grandes conquistas, a revogação do aumento das tarifas de transporte público nos mostrou que quando o povo luta as coisas acontecem, esperamos que assim seja, que daqui pra frente os nossos representantes estejam realmente em nome do povo, a favor do povo, porque senão paramos o brasil.
Viva o povo brasileiro!
(Luis Felipe)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Frase Reflexiva: Ariano Suassuna

O justo e o justiceiro - Padre António Vieira

Que os juízes hão de ser humanos; por isso não veem Cristo julgar em quanto Deus, senão em quanto homem. A humanidade é o realce da justiça: entre o justo e o justiceiro há esta diferença - ambos castigam, mas o justo castiga e peza-lhe; o justiceiro castiga e folga. O justo castiga por justiça, o justiceiro por inclinação: o justo com mais vontade absolve, que condena; o justiceiro com mais vontade condena, que absolve. A justiça está entre a piedade e a crueldade: o justo propende a ser piedoso; o justiceiro para ser cruel. (Padre António Vieira)

Reflexão Bíblica: Tempo para tudo

       Para tudo há um momento e um tempo para tudo o que se deseja debaixo do céu: Tempo de nascer e tempo de morrer, tempo de plantar e tempo de arrancar plantas, tempo de matar e tempo de curar, tempo de destruir e tempo de edificar, tempo de chorar e tempo de rir, tempo de lamentar e tempo de dançar, tempo de atirar pedras, e tempo de ajuntá-las, tempo de abraçar e tempo de evitar o abraço, tempo de procurar e tempo de perder, tempo de guardar e tempo de atirar fora, tempo de rasgar e tempo de coser, tempo de calar e tempo de falar, tempo de amar e tempo de odiar, tempo de guerra e tempo de paz. (Eclesiastes 3, 1-8)